Paula Mota e João Decq II

<

Slide 1
Slide 2
Slide 3
Slide 4
Slide 5
Slide 6
Slide 7
Slide 8
Slide 9
Slide 10
Slide 11
Slide 12
Slide 13
Slide 14
Slide 15
Slide 16
Slide 17
Slide 18
Slide 19
Slide 20
Slide 21
Slide 22

Photo Credit: Carlos Melo

Este projeto consistiu na apresentação dos trabalhos de ilustração executados por
Paula Mota e João Decq para o número dois da revista Grotta. Uma vez que a revista
saiu em dezembro em ponta delgada, fazia sentido fazer a sua apresentação.
“SINOPSE
No seu número 2 a revista Grotta aprofunda a sua vocação para reunir quem escreve
no território açoriano e fora dele. Volta a juntar um respeito pela tradição literária,
uma atenção à pluralidade de vozes e à comunicação com outros lugares.
O dossier dedicado à Literatura de Porto Alegre é uma forma de celebrar, hoje, a nossa
ancestral ligação com a capital do Rio Grande do Sul, com necessidade de uma boa
actualização, lugar fundamental para os Açores e os açorianos.
Há uma longa entrevista com Eduíno de Jesus, que partilha com os leitores a sua vida
literária e a forma como vê o mundo, em respostas pensadas e cuidadas. E
inspiradoras, sempre.
Continua-se a fazer conviver respirações de tempos diferentes. Textos sobre Natália
Correia de autores premiados (Carolina Bettencourt). Uma peça, de Victor Rui Dores,
sobre o rico suplementarismo literário açoriano, narrativas na primeira pessoa de
personagens de séries televisivas que aterram no espaço da ilha e contos ao desafio,
escritos por novos autores. Poemas de nomes como Renata Correia Botelho e Rui
Machado e slam poetry de Carla Veríssimo.
Urbano Bettencourt, num texto de referência aqui incluído, Escritas insulares –
fragmento e derivas, trata da «condição insular como uma oscilação entre a
permanência e a errância, entre o auto-centramento e a deriva que leva à
descoberta». A prosa começa com uma citação de Michelet: «A Inglaterra é uma ilha».
Uma ilha para a qual viajamos e que pisamos com vagar através da poesia de Ken
Smith, traduzida por Hugo Pinto Santos (autor, relembre-se, da tradução dos poemas
irlandeses do primeiro número da grotta).
Este número está amplamente ilustrado por dois artistas plásticos – Paula Mota e João
Decq – que valorizam muitíssimo a edição, transportando-a para um território que
pretende ocupar: o do diálogo entre artes, o da conversa entre linguagens diferentes e
complementares.
A revista Grotta é dirigida por Nuno Costa Santos e conta com coordenação editorial
de Diogo Ourique. A edição é da Letras Lavadas.”